Tomando estoque de peças de reposição

De Jennifer Pallanich19 julho 2019
© xmentoys / Adobe Stock
© xmentoys / Adobe Stock

Em um setor com infraestrutura bem além de sua vida útil, o compartilhamento de estoque para peças de reposição pode ajudar a manter os equipamentos funcionando sem problemas.

Como a manutenção é fundamental para operações seguras e contínuas, os proprietários de ativos tendem a manter muitas peças de reposição à mão. Mas manter estoque em excesso é um custo desnecessário para as operadoras que adotam o relatório de ativos cruzados, diz Andy Powrie, diretor técnico da Arnlea Systems, que oferece soluções de software para cadeia de suprimentos e inspeção.

“O Mar do Norte é um local de ativos antigo. A grande maioria tem 30 ou 40 anos e só é construída há 20 anos. Há muito a ser feito em termos de manutenção ”, diz ele. Os proprietários de ativos costumam ter ações “sentadas no depósito em terra por 30 ou 35 anos”.

Para complicar ainda mais as coisas, ele diz, é o fato de que alguns fornecedores não estão mais no mercado e um ativo pode ter um excedente de algumas peças sobressalentes que somam mais de 100 anos de cobertura, enquanto outro ativo não tem peças sobressalentes. Como a maioria dos equipamentos mais antigos era construída na mesma época pelos mesmos fornecedores, os itens de backup podiam ser facilmente compartilhados de um ativo para outro.

Ele chama a ideia de usar dados para facilitar o compartilhamento de ações, um "salto gigantesco" para a indústria. Ele acredita que a chave para a aceitação é que as empresas pensem holisticamente.

Um cliente da Arnlea tinha cinco ativos funcionando como entidades separadas na plataforma continental do Reino Unido (UKCS) que não compartilhavam informações, ele diz.

“Estamos reunindo tudo isso para eles”, diz ele sobre o projeto Supply Chain and Operations Tracking, que conta com as soluções de software IntrinsixMM (Materials Management) e IntrinsixIM (Inspections and Maintenance).

Quando o relatório de ativos cruzados foi implementado, eles conseguiram gerenciar melhor o inventário de reposição rastreando o uso e as falhas de equipamentos, diz Powrie.

A Arnlea tem como objetivo disponibilizar essa capacidade de compartilhamento entre ativos no Golfo do México como parte da estratégia de crescimento da empresa. Outra parte da estratégia de crescimento da empresa exige a expansão do uso da solução de software IntrinsixEX, que utiliza inspeções baseadas em risco para equipamentos ATEX.

Em meados de junho, a Arnlea concluiu a instalação desse software para 14 ativos da SBM. O IntrinsixEX economizou a mão de obra da SBM e melhorou a eficiência da inspeção, disse Powrie, observando que uma inspeção foi concluída em um dia, agora até 20 inspeções estão acontecendo diariamente. O software fornece resultados de inspeção “não-analizados e não filtrados” no mesmo dia que são visíveis para os clientes da SBM, acrescenta.

Da esquerda: Andy Powrie, diretor técnico da Arnlea; Allan Merritt, diretor administrativo; e Jeremy Lai, diretor financeiro. (Foto: Arnlea)

Categories: Equipamento, Tecnologia